DESTAQUE

Três cidades paraenses estão entre as 10 com pior saneamento básico do Brasil

reprodução

Belém, Ananindeua e Santarém, estão entre as 10 cidades com pior saneamento básico do Brasil, segundo um estudo feito pelo Instituto Trata Brasil, em parceria com a consultoria GO Associados.

Santarém é a 3ª pior cidade brasileira em saneamento, considerando o conjunto de indicadores analisados; Belém é a 5ª pior; e Ananindeua, 6ª. Há 13 anos, quando, pela primeira vez, o Trata Brasil investigou a situação dos 79 mais populosos municípios, Belém já era a 6ª pior e Ananindeua, a 13ª. Santarém ainda não havia entrado no radar.

Santarém é entre as 100 maiores cidades do país, a que menos oferta rede de esgoto a população. De acordo com o Instituto Trata Brasil, apenas 4,14% da população têm acesso a esse serviço básico. Outras 34 cidades brasileiras têm índice de coleta de mais de 90% .

Não muito diferente da realidade de Santarém, em Belém apenas 17,14% da população têm acesso à rede de esgoto, 4º menor percentual do pais. Em Ananindeua, a taxa é de 30,18%, 9º menor índice.

As três cidades paraenses são as únicas representantes de um mesmo estado em que menos de 10% do esgoto coletado é tratado.

Em Santarém, trata-se apenas 7,8%; em Ananindeua, 4,5%; e em Belém, 3,61%.

Ainda segundo o levantamento, o Pará tem as cidades com menos água farta nas torneiras por meio de rede geral de abastecimento. Enquanto em 46 das maiores cidades brasileiras 99% da população tem água encanada, em Ananindeua o percentual não passa de 33,8% e é a segunda pior situação do país.

Em Santarém, só metade da população, precisamente 50,9%, tem abastecimento de água potável, mesmo morando vizinha aos gigantescos rios Tapajós e Amazonas. Na capital paraense, 73,41% da população têm água encanada, o que ainda assim é muito inferior à média das cidades brasileiras, onde 94,38% dos habitantes têm acesso ao líquido preciso.

O estudo se limitou apenas aos 100 municípios mais populosos.

Com informações: zedudu.com.br

Compartilhe:

Deixe um comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Leia também