DESTAQUE

Santarém: Homem denuncia suposta irregularidade em placa do governo do Pará e afirma que teve casa invadida por delegados: placa é mudada

Reprodução

Em Santarém, oeste do Pará, um homem, conhecido por João Batista, resolveu apagar uma placa de obra do governo Helder Barbalho(MDB). O morador estava revoltado com a homenagem da placa, que contrariava a lei n° 6.454/77.

Para você entender melhor, João Batista, apagou o nome “Barbalhão” que estava na placa da obra do governo em Santarém. Em vídeo, ele alegava que a “homenagem” era uma clara propaganda ilegal ou auto promoção do governador Hélder Barbalho

e de sua família. A placa anunciava a obra do estádio Colosso do Tapajós, orçada em 94 milhões de reais.


CASA INVADIDA

 

Após o ato de protesto, o homem denunciou em um segundo vídeo que teve a sua casa invadida no dia seguinte ao seu ato, por policiais da delegacia de Santarém, sem nenhum tipo de mandado judicial, atropelando a lei, numa clara ação política.

Nas imagens, ele diz que os delegados da Polícia Civil, Jamil Casseb e Germano invadiram a casa de forma arbitrária, deixando familiares assustados – inclusive a mãe, de 80 anos de idade – e pegaram seu aparelho celular, levando-o.

 

O QUE DIZ O DELEGADO

 

O delegado Casseb disse que não invadiu a casa e que apenas compareceu à residência para levar uma intimação, sem explicar que tipo de intimação era.

Jamil Casseb, aliás, já esteve envolvido em outro caso polêmico, de abuso de autoridade, denunciado pelo Ministério Público santareno. No ano de 2018, o delegado algemou uma mulher em uma cadeira da delegacia e foi embora para casa, dormir. O caso foi reportado pelo Portal OEstadonet, em sua edição de 7 de dezembro de 2018, com a informação de que o MP havia denunciado o delegado à Justiça por abuso de autoridade. A mulher foi exposta ao constrangimento e passou a noite presa, algemada, sem saber o porquê. No outro dia, ela foi liberada sem saber se tinha sido detida na condição de suspeita ou testemunha.

 

PLACA TROCADA


Após a repercussão negativa para o governo Helder Barbalho, mesmo com a tentativa de intimidação ao homem que realizou o protesto, ainda na noite do dia 2, a placa da obra foi finalmente editada e colocada em conformidade com a lei e os princípios que regem a Constituição: o nome “Barbalhão” foi apagado e, agora, o estádio está apenas nomeado como “Colosso do Tapajós”.

Fonte: Ver-O-Fato

Compartilhe:

Deixe um comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Leia também