6F74E9BA-B656-473A-BD31-1F2DBC527BB0

Quilombolas prometem fechar acesso a comunidade de Salvaterra

Compartilhe:

As comunidades quilombolas de Deus Ajude, Mangueiras, Salvar e Providência, no município de Salvaterra (PA), vão fechar o acesso para visitantes a partir de sábado, 18. Esse foi o recado dado na manhã desta sexta-feira, 17, pelo grupo Juventude Quilombola Abayomi, aos moradores de Salvaterra, na ilha do Marajó. Segundo eles, integrantes das quatro comunidades farão uma porteira na estrada de acesso a esses locais, visando bloquear a entrada de visitantes durante a pandemia de covid-19.

– A comunidade Deus me Ajude vai ter um portão na ponte – alerta José Luiz Souza, conhecido como Deco. Segundo ele, o bloqueio é uma medida de prevenção visando proteger principalmente os mais velhos da comunidade, considerando que idosos são o principal grupo de risco na contaminação pelo coronavírus. Integrante da Juventude Quilombola, Deco Souza diz que a iniciativa está sendo adotada por outras comunidades no Pará.

Deco explica que a iniciativa de bloquear o acesso surgiu depois que moradores das comunidades reclamaram sobre o grande número de pessoas em atividades recreativas nos últimos finais de semana. Distantes do centro da cidade, as comunidades não são fiscalizadas pelas autoridades reponsáveis por impedir a aglomeração de pessoas. “Os baleários, festas, jogos de futebol, qualquer tipo de aglomeração, está tudo proibido dentro dessas comunidades”, diz ele, em vídeo dirigido a quem tem intenção de visitar esses locais no feridão de Tiradentes.

Segundo Deco, o acesso às comunidades estará garantido aos trabalhadores que forneçam serviços essenciais e a pessoas que precisam entrar para realizar alguma atividade ou serviço de extrema importância. Segundo o quilombola, a medida visa proteger também os moradores de Salvaterra, pois “muitos de nossas comunidades estão indo para Belém tentar receber benefícios pagos na Caixa Econômica”, alerta Deco, informando que essas pessoas podem voltar para a comunidade infectadas pelo coronavírus.

Com uma população 23 mil pessoas, Salvaterra possui cerca de oito mil quilombolas. O Município de Salvaterra abriga 16 comunidades quilombolas e apenas uma agência lotérica, no centro da cidade, oferece a possibilidade de saque do auxílio emergencial de R$ 600 e de outros benefícios pagos pela Caixa Econômica.

 

Fonte: Extra do Pará.